21 de jun de 2010

Baile

Pois bem.
Sábado fui pro Baile da Chatuba, aquele, frequentado pelo jogador de futebol Adriano. Levei meu chefe, um empresário Israelense, que estava acostumado com festas eletronicas ao redor do mundo. Falei pra ele que o levaria no verdadeiro Rio de Janeiro. A noite foi ótima, o poder paralelo mostrou como está forte. Armados até os dentes, os bandidos pediam "com licença", quando passavam por nós. E o funk rolando solto, proibidões de todos os estilos. Eu gosto mesmo. Há quem ache perigoso, há quem diga que isso não é normal. E o que e normal hj em dia? Entrar em uma boate, beber e tomar dezenas de comprimidos na pista? Sentar em um bar e beber uma caixa de cerveja com dois amigos? Gosto de saber de tudo que acontece nessa cidade, e os bailes de favela estão incluidos nessa curiosidade. Não gosto de ficar enfiado dentro de um estilo só. Dentro de uma boate por vários fins de semana. Não gosto do trivial.

Um comentário:

Marcelo R. Rezende disse...

Eu amo um funk. Acho a batida muito interessante.
Pena aqui na minha cidade não ter nenhum baile desses.